NOTÍCIAS

22 Agosto

O papel vital do pai no apoio à amamentação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que as mães alimentem seus filhos exclusivamente por meio da amamentação durante os primeiros seis meses de vida. Elas também são incentivadas a amamentar como complemento de outros alimentos ao menos até o bebê completar 2 anos de idade. Essas mensagens são compartilhadas de forma recorrente durante a Semana Mundial do Aleitamento Materno, que este ano destacou o apoio do pai como uma das formas mais consistentes de assegurar uma amamentação bem-sucedida.

Estudos mostram que o pai desempenha um papel fundamental no apoio ao aleitamento. O suporte paterno gera taxas mais elevadas de início e continuidade da amamentação, aumento da intimidade entre o casal, menores taxas de absenteísmo no trabalho por parte das mães e até mesmo a redução dos sentimentos de ansiedade ou isolamento. Além de todos esses benefícios, o estabelecimento de um vínculo entre o pai e o bebê é igualmente importante para a saúde geral de ambos.

Tanto as mães quanto os bebês precisam do descanso e da privacidade para garantir uma amamentação bem-sucedida. As visitas e os amigos, muitas vezes involuntariamente, podem gerar atrasos na hora da alimentação e cansar ou superestimular um bebê.


O pai pode ajudar nesse processo de várias maneiras:

- Administrar as interferências de modo a garantir privacidade suficiente

- Informar-se sobre os fundamentos do aleitamento materno e garantir que as necessidades da mãe sejam atendidas

- Trocar as fraldas do bebê e acordá-lo para ser alimentado ajuda no sentido de proporcionar às mães um tempo adequado para descansar e se preparar para a amamentação.

- Garantir uma nutrição adequada e o apoio emocional para as mães


O apoio e envolvimento do pai

Por meio do aplicativo Pregnancy+, foram entrevistadas 827 mães na América Latina para saber o que dizem sobre o envolvimento de seus parceiros na amamentação. Os resultados mostram que a maioria deles participa confortando e verificando o bebê, mas menos da metade ajuda na limpeza dos extratores de leite e das mamadeiras para a próxima alimentação ou pesquisando sobre como alimentar o bebê.

Quando perguntadas se seus parceiros desejam estar envolvidos na jornada de amamentação, 86% das mães indicaram que sim — uma resposta muito consistente. Mas ao consultar sobre como os parceiros podem assumir um papel ativo no apoio à jornada de amamentação, 75% responderam que há necessidade de mais informações.

Este ano, a OMS está trabalhando junto à Unicef e seus parceiros para promover a importância de políticas favoráveis à família de modo a permitir a amamentação e ajudar os pais a nutrirem e estabelecerem vínculos com seus filhos no início da vida.

É preciso trabalho conjunto para reconhecer e incentivar a licença parental (ou paternidade) e ajudar as mães com uma adaptação suave aprimorada. Os bebês necessitam dos cuidados de nutrição fornecidos por ambos os genitores, e a participação do pai não deve ser subestimada nem dispensada.

O ideal é que todas as crianças sejam amamentadas pelo menos nos primeiros seis meses de vida. As mães e os pais são fundamentais nessa jornada.


Fonte: Revista Saúde

'